Pesquisar

domingo, 14 de fevereiro de 2010

[V>Crítica] Língua Solta - "Guerra ao Terror" por Ary Pablo

arY pablo
...a guerra é um vício. Com a direção feminina de Kathryn Bigelow o filme demonstra a verdade dos soldados americanos que vivem em guerras que os Estados Unidos custam em manter. A verdade é tão intensa que chegamos a crer que se trata de um documentário, é a encenação de atores como o indicado ao Oscar Jeremy Renner que nos leva a tal pensamento. Ele se destaca no filme onde vive um verdadeiro soldado que se vê viciado no que faz, viciado no perigo escondendo seus medos e arriscando a vida. Sem explicação, onde todos os outros soldados temem a morte, esse soldado vive para a guerra, a vida já não é mais a mesma sem a emoção de guerrear. A marca que o país deixa nele é profunda e as missões são mais do que aventuras cotidianas, são emoções intensas onde o risco de morte é só um adereço. Isso é o que a guerra faz, talvez para muitos seja um pensamento muito longe da realidade, mas não é. A ficção não existe na guerra e alguns viverão como o sargento James. 

O filme psicológico pode passar despercebido por muitos mas é onde a diretora queria chegar. A psicologia da guerra, do guerrear é tratado com verdade e humanidade. Se não pensar ao assistir ao filme não será captada a mensagem. Mais do que a ação intensa e contínua de a qualquer momento a bomba, as bombas, explodirem a história é centrada no ser humano. A filosofia da vida é colocada à prova. 
Como pode perceber esse não é um filme qualquer, muito menos para qualquer um assisti-lo. Um filme para pensar e refletir, onde a mastigação diária em que vivemos da informação é esquecida e você deve usar os seus próprios dentes e maxilar, não os de Hollywood!