Pesquisar

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

[V>Hollywood] Entrevista com Del Toro sobre "O Hobbit"



"A pré-produção nos tomou quase um ano. O que pra mim é muito longo, porque eu costumo levar um terço desse tempo para criar o design de filmes como Hellboy. E aqui temos três ou quatro vezes o número de artistas [trabalhando nos designs], em comparação com Hellboy. Produzimos centenas de desenhos, dúzias e dúzias de maquetes. Já é um épico, e vamos continuar com os designs quando a produção de fato começar", disse o diretor.
"Eu disse para a Weta [companhia que cria os efeitos e as maquiagens do filme] que deveríamos manter o DNA das criaturas da Trilogia do Anel, mas gerar tipos diferentes de criaturas. Por exemplo, na trilogia a maioria delas é desarticulada, bruta. Em O Hobbit, as criaturas falam. Smaug tem falas belíssimas, o Grande Goblin também... Então tínhamos que ter um enfoque diferente em relação ao design, porque essas criaturas não podem simplesmente ser assustadoras. Eu queria que os monstros fossem, sim, majestosos", falou.
"Acho que um dos designs dos quais mais me orgulho é Smaug. Obviamente, foi o que deu mais trabalho. Na verdade, ainda está no meio do processo. Terminamos a paleta de cor e um pouco da textura. Mas o grosso do design nos tomou um ano, por causa das características únicas do dragão", continuou.
"Bem no começo do projeto eu trouxe uma ideia forte que separaria Smaug de qualquer outro dragão visto anteriormente no cinema. O problema era implementar essa ideia, mas acho que a gente conseguiu. E temos uns caras na equipe que são maníacos por aranhas... Não posso falar muito sobre elas, mas não tem como fazer um ataque de aranhas a uma cidade sem que isso pareça filme de terror. Não dá pra uma aranha gigante envolver pessoas em casulos de forma gentil. A questão é definir o peso dessas aranhas, porque elas têm pernas bem longas. Como Shelob [a aranha de O Retorno do Rei] ficava mais perto do solo, ela se mexia quase como um tanque. Nossas aranhas precisam ser gigantes mas, ao mesmo tempo, ter uma leveza".
Trechos da entrevista realizada pela revista Total Film.