Pesquisar

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

[V>Teatro] A Bela e a Fera


Uma homenagem do blog V-EFFEKT ao melhor ano  dos musicais da Broadway no Brasil. Começaremos pelo inacreditável "A Bela e a Fera" que ganhou uma nova temporada esse ano no Teatro Abril em São Paulo. A indústria paulistana de musicais testemunhou seu primeiro reprise, a segunda montagem de A Bela e a Fera, grande êxito de bilheteria em 2002. E valeu a pena ver de novo? Sim, afinal a produção continuou a mesma – cenários e figurinos primorosos, efeitos de cena (inclusive a transformação da Fera em Príncipe, ao final da peça) e qualidade de interpretação dos atores/cantores. 
O espetáculo foi mais uma vez gigantesco e mágico. As dinâmicas trocas de cenários distraem a platéia da duração excessiva do show (160 min.) e algumas músicas funcionam à perfeição. Marcos Tumura (Lumiere), um dos poucos vindos do elenco original, confirma sua reputação de show-stopper: o melhor trecho do musical é justamente o seu “Pra Você!”, um momento memorável, quando todos os talheres e louças de um banquete ganham vida, cantam e dançam para a Bela. Aliás, todas as cenas com os objetos – como o bule Sra. Potts (Paula Capovilla), o relógio Dindon (Jonathas Joba) e a hilariante Dona Cômoda (Andrezza Massei, também da montagem de 2002) – são as mais animadas e interessantes. 
O fortão encrenqueiro Gaston ganhou uma interpretação um pouco exagerada de Murilo Trajano (lembra o vilão do programa infantil “LazyTown”), mas na música “Gaston” ele até se redime. Lissah Martins (ex-“Miss Saigon”) é correta e doce, mas ainda não empolga tanto como a Bela feita pela revelação Kiara Sasso há sete anos. Já a Fera é defendida, digamos, com garras e dentes por Ricardo Vieira – que ascendeu do coro da montagem original para o papel principal agora. Vieira não faz feio e passa emoção, mesmo debaixo de 10 kg de roupa e maquiagem.
Diferenças estéticas à parte, o musical mereceu ser visto (ou revisto) e ainda trouxe muitos sorrisos estampados ao final do show, os assobios não faltaram.


 
Fonte: revita Época São Paulo.